sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

já chega ?


estou um bocado cansada , e sinceramente nem estou com muita força para aqui estar , mas tal como já te provei eu quando quero , arranjo a tal força , luto e consigo vencer , e como quero e preciso de te dar a intender algumas coisas , vou continuar aqui e mais uma vez para ti . e voltando atrás estou cansada , não só físicamente , mas também psicológicamente e talvez esteja até cansada de ti e das tuas atitudes de garoto .
áhn , também tenho sono , e metade de mim quer ir dormir . mas antes pelo contrário a outra quer continuar aqui , continuar a ser burra e perder tempo contigo . ( e eu que sempre disse que tempo contigo nunca era perdido -.- ) qué de mim que acreditava nisso ? qué de mim que te dava força e razão em tudo ? qué de mim que chamava por ti , que todas as noites chorava a perguntar-me ' e ele ? será que ele está bem ? Como é que lhe terá corrido o dia ?' continuava-me a preocupar mais contigo , do que até do que comigo . ainda agora acho que é assim . qué de mim que dizia que não sabia viver sem ti ? qué das nossas recordações e lembranças , qué das nossas memórias que até 'sozinha' me faziam continuar a lutar ? que merdas de questões . mas á força tive que aprender que a vida muda , e que algumas pessoas se substituem , não que eu tenha de te substituir , mas sim que fui substituida e que a tua vida , foi dessas que mudou . não só a tua , mas também a minha , e não só as nossas vidas , mas também ambos . e eu que pensava que era dependente para tudo , mas infelizmente tens-me mostrado o contrário que de dependente não tenho nada . mas por muito que queiras continuar a baixar a cabeça quando passas por mim , eu já me fartei disso ! fartei mesmo , e culpa tua , minha , nossa , ou de nenhum , acho que cheguei ao limite . lamentadamente continu-o com saudades tuas ! mas também te digo lamentadamente ou não : deixei de falar de ti e de dizer o teu nome . deixei de o desenhar no espelho da casa-de-banho , quando o vapor inunda todas as superfícies . em vez disso tenho o coração embaciado de dúvidas e o olhar desfocado pelo teu absurdo silêncio . o olhar de quem aprende a adaptar-se a uma luz desconhecida , a uma nova realidade .